Registre-se e crie um Perfil com as coisas que gosta. Também pode adicionar coisas novas, escrever e ler opiniões.

As Palavras que Nunca te Direi - Nicholas Sparks

52
 

Utilizador

Eu Gosto!

Descrição:

Livro que aborda a tentativa de uma mulher para encontrar o seu homem ideal. Transporta o leitor a ter sentimentos fortes e a partilhar também a sua procura que será compensada quando encontra uma mensagem de um homem numa garrafa, numa praia. Apaixonada pelo seu sonho, parte em busca do autor da carta, acabando os dois por envolver-se numa relação insólita.

Avalie:

Pessoas que gostam

Mestre
roberto romera
Novato
mano
Mestre
Evelise
Novato
Mestre
RENATO
Novato
andreia
Novato
romaro
Novato
alyson
Mestre
♥Nalu Teles®♥
Especialista
Ana Gomes
Novato
Mestre
Vanessa Caroline MB.
Mestre
♫♪⊰✿⊱Dhio⊰✿⊱♫♪
Novato
ferrosg
Novato
keuliane
Novato
Rita

Novato
Filipasno

Filipasno disse

+1
Lindoooo!!!!

em 4 Jan, 2011 - Para responder identifique-se - Comunicar

Novato
eu_vanessa

eu_vanessa disse

+1
Olá! Li o livro, "Palavras que nunca te direi", e posso dizer que é um livro fantastico, muito emotivo. Ainda não tive a oportunidade de ler outra obra do autor, Nicholas Sparks, infelizmente, mas quero descubrir mais sobre este. O Livro retrata um amor unico. Emociona a forma como o autor retrata o espaço e as personagens. Aconselho a ler esta obra porque faz-nos sentir melhor, e sentir o amor de uma forma especial. Acabamos com aquela lágrimazinha no canto do olho, e no coração. Espero que ao ler este livro gostem tanto como eu gostei. No fim se sintam tão bem como eu me senti. Tenho a desejar uma boa leitura. Obrigada. Abraço

em 25 Nov, 2007 - Para responder identifique-se - Comunicar

xana respondeu

ola eu_vanessa eu tb ja li o livro e adorei foi o melhor livro k ja li...alias todos os livros do nicholas sparks sao espetaculares outro k gostei bastante e o diario da nossa paixao...e agora tou a começar a ler a melodia do aedeus.se a ainda n leram aconselho a ler...

Novato
JoelMota

JoelMota disse

+1
Lembro-me quando fui à internet pesquizar livros, encontrei este....e reconhecia...onde...lá me lembrei: vi no filme. Eu até hoje não encontrei um filme fiel ao livro....e assim sendo, foi á procura do livro numa papelaria. Dinheiro não foi perdido...adorei o livro, leitura agradável e cativante. O mais impressionante foi quando me veio uma lágrima ao olho num instante do tempo gravado no livro, poucos são os livros que puxam pelos nosso sentimentos, muito poucos. Tocou-me o livro. Quando a nossa cara metade morre por motivos naturais ou não,à vida tendo tudo planeado ou não, temos sempre de abrir os olhos e sorrirmos para a vida, mesmo que isso nos custe; pois a felicidade não desapareceu, só foi dar um passeio. A história retrata duas personalidades que ambas perderam a sua cara metade. O homem alivia parte da dor mandando cartas para o mar. No "outro lado do mar" uma rapariga recolhe uma carta. E é aqui que começa a aventura. A aventura de a rapariga encontrar a outra pessoa.....que tanto sofre de dor.....e sem dar conta.....algo mágico acontece...o quê....isso é história que só o livro sabe contar com suas próprias palavras! Concluo que este livro é de ler e reler mais tarde, um livro de colocar na nossa estante dos predilectos.

em 16 Nov, 2006 - Para responder identifique-se - Comunicar

Novato
Claudia11

Claudia11 disse

+1
é uma historia de uma mulher divorciada com um filho que encontra um garrafa com uma msg no mar! Apartir dai kix conhecer o autor e dpx de descobrir onde morava (a mtx kilometros de distancia) foi atras deles. apaixonaram-s e ele no fim morre e ela fika outra vex sozinha. Isto muito resumido Eu amei este livro.. o melhor livro k ja li em toda a minha vida... dei por mim varias vexes a xorar pk a historia comoveu-m mt e o meu coraçao apaixonou-se por esta historia!!!! adrorei mtmtmtmtmtmtmtmtmtmtmtmt este livro.....

em 30 Set, 2006 - Para responder identifique-se - Comunicar

Novato
Usuario desactivado

Usuario desactivado disse

+1
Quando era miúdo, aí com uns 12 anos, costumava “surripiar” e ler alguns daqueles romancezitos de cordel da Corin Tellado a uma prima mais velha que, como todas as jovens moçoilas daquele tempo (primeiros anos da década de 80), lia aquilo sonhando com um príncipe encantado que um dia a viria arrancar da casa dos pais para a levar para o seu castelo altaneiro. Pelos visto e no caso dela era apenas sonho, pois acabou casada com um mineiro que só gosta e fala de snooker... adiante! O facto de fanar alguns desses romances, não era porque fosse um apreciador dos mesmos. Não! Embora seja e sempre tenha sido um romântico (já aqui o admiti em diversas ocasiões), sempre considerei aqueles romances demasiadamente piegas e fora da realidade e, vendo essa minha prima chorar com o que lia, nada melhor estar na posse de algumas dessas histórias e frases para puder mangar com ela. Entretanto cresci e o meu interesse literário começou-se a expandir por outros géneros e nunca mais peguei em qualquer desses livros, nem sei mesmo se essa minha prima o tenha feito, pois só a vejo de 5 em 5 anos e jamais lhe perguntei. Acrescento contudo que mesmo considerando esses livros de baixa qualidade, não deixam de merecer o meu respeito. Há dias fui surpreendido por uma oferta aniversaria da minha irmã que, conhecedora do filme, resolveu, ainda não entendi bem porquê, ofertar-me com este ”As palavras que nunca te direi” de Nicholas Sparks, escritor norte americano que confesso nunca haver lido nem nunca me haver despertado o interesse, precisamente por não me interessar o género literário pelo qual tem um regimento de fãs em todo o mundo. E vai daí, por respeito à minha irmãzinha, resolvi empreender a leitura do livro e de uma forma racional e franca, aqui vão as minhas considerações: A HISTÓRIA: Theresa é uma mulher divorciada com um filho de 12 anos. Tendo tido um casamento aparentemente de sonho, ela vivia uma vida idílica até descobrir que o seu marido a atraiçoa com outras mulheres. Todo o seu mundo se desmorona e vê-se assim sozinha com um filho a entrar na fase da adolescência. Três anos depois e num passeio à beira mar, Theresa dá de caras com uma garrafa semi-enterrada apercebendo-se que no seu interior se encontra um bocado de papel enrolado. Curiosa, constata tratar-se de uma carta de um homem que assina Garrett que, de uma forma apaixonada, escreve palavras de afecto e saudades a uma tal de Catherine. Theresa, que é uma conceituada colunista de um jornal nacional, é “atingida” por aquelas palavras e completamente apaixonada e deslumbrada pelo teor da carta que revelam a alma de um homem perfeito, resolve ou vê na mesma um tema de interesse para as suas crónicas, resolvendo posteriormente publicar essa mesma carta, omitindo, contudo, os nomes. É este o ponto de partida desta história que, como é fácil de depreender para quem nunca leu o livro ou viu o filme, irá juntar Theresa e Garrett num amor, digamos, impossível. Que ilações, aprendizagem ou mesmo o que é que este livro me deu? Vão-me desculpar os amantes do livro e do autor, mas a mim deu-me muito pouco. Este é, quanto a mim, o típico romance de cordel que teve o seu apogeu no início do séc. XX nos Estados Unidos e na Europa. Aqui Sparks usa a velha técnica e estrutura do romance de cordel (dois amantes, um amor transcendental, angustia e sexo q.b.), um romance cheio de clichés gastos, usando e abusando de muitas situações, exaltando de uma forma primária e melosa, um amor trágico e um outro que quer romper mas que necessita da permissão ou do fim dessa tragédia. Sparks pegou em conceitos literários antigos, conceitos que fizeram escola com a tal Corin Tellado: o amor entre um homem e uma mulher, doces e graciosas palavras, emoções e pensamentos que são revelados de uma forma patética, numa constante busca do nada, nem sequer do sentido da vida deles, pois a fórmula repete-se e praticamente constroi-se um círculo vicioso. No entanto ele tem a esperteza de trocar um pouco o objecto, aqui o objecto onde as emoções são inicialmente reveladas, não são os afagos na cabeça e os abraços. Ele começa por usar o papel e é aí que espelha a alma de Garrett (é a alma de Garrett que Theresa ama), com a particularidade de colocar esse mesmo papel numa garrafa e mandá-la à vontade de Deus, à vontade do amor. Obviamente que podemos clamar que a alma é eterna e é por ela que se vê a verdadeira pessoa. Correctíssimo! Quanto a mim o amor só tem sentido se amarmos a alma da pessoa, no entanto não é só em palavras que se pode ver a alma das pessoas, não será também o acto de falar, pensar e agir, uma forma de ver, de sentir? Na minha humilde opinião Sparks falha redondamente nesse aspecto. Ele pretendeu escrever um livro que atingisse profundamente os corações mais fracos, reparem, não os mais românticos, mas aqueles que estão mais frágeis, mais sonhadores, entendem? É um livro com um ritmo excessivamente melodramático, cheio de recordações melosas, com um enredo mastigado até à exaustão que a partir de certa altura, nenhuma mais valia lhe dá. Sparks quer fazer crer que o verdadeiro amor entre o homem e uma mulher só é concebível com choradinhos e palavras mansas. Por outro lado cai em contradições atrozes, pois tão depressa sublinha a importância do amor interior, espiritual com situações sôfregas de amor físico, situações quase animal. Não se trata de ter ou não ter sensibilidade, trata-se de falta de originalidade e de uma escrita muito simplista e com uma história já vista. No entanto gostei da forma como ele descreve as situações e os lugares. Consegue transmitir o quadro de uma forma graciosa. Gostei também da introdução inicial sobre as mensagens em garrafas que são encontradas um pouco por todo o mundo, algumas delas contendo mensagens que andaram à deriva durante décadas e outras que até são utilizadas para se estudar as correntes marítimas. Em suma: Este romance peca pela forma fácil como Sparks constrói o trama, pelas situações demasiadamente piegas e repetidas e sobretudo pela forma ultra dramática como o termina. Imagino as milhares de pessoas que devem ter chorado baba e ranho. Aconselho a quem se interessar pelo tema. Dou 3 estrelas pela capacidade que Sparks demonstra na arte descritiva e pela forma narrativa da fase final, gostei também. Garcia Marquez afirma: ”O coração tem mais quartos que uma pensão de putas”. De certo que Sparks não pensa dessa forma, Eu? Gosto de pensar que todos nós temos uma cara-metade algures, uma metade da nossa alma que complementa a nossa. Uns acham-na, outros andam vidas e vidas à procura dela. Porém e não tendo pretensões a ser dono da razão (longe disso), acho que essa tal alma, não nos chegará da forma como Sparks descreve.

em 22 Ago, 2005 - Para responder identifique-se - Comunicar

inca401 respondeu

a esta hora já te tava a MORDER lol :p és mesmo mau entonces isso se di oia oia humm mas prontos bá lá inspiradito como sempre lol tá good good lol xiiiii a pala da mana né?!!!! jokinhas ó kotinha ah ah ah fuiiiii rápidinho

Tom-Sail respondeu

Grande Nuno Alguém disse (algo no género): Bem, até a encontrar a mulher certa, lá vamos ter nos ir satisfazendo com as erradas... (lol) Falando mais a sério, na minha óptica defendo que uma relação mais profunda, não se consegue consolidar temporalmente, apenas com uma observação "de primeira vista", carecendo sim duma conjunção de aspectos de união, quer nos padrões culturais, sócio-económicos, nas crenças políticas e religiosas, bem como num adequado e honesto relacionamento sexual. Porque se assiste cada vez mais, que ligações fracamente assumidas, se traduzem regra geral em separações, muitas vezes com elevados "danos" não apenas para os próprios, mas também para os eventuais descendentes, que inocentemente sofrem parte da "dor", que estes processos sempre geram... Apesar do livro não suscitar grande atractividade para a sua leitura, a opinião revela grande utilidade por toda a informação que nos traz. Um Abraço António

 
Novato
carina13

carina13 disse

+1
O que é que se pode dizer mais deste autor, que ainda nos consegue surpreender a cada livro que escreve, e tem uma legião de fãs que devoram os seus livros? Que este, é mais um livro apaixonante. Num dia de férias, ao correr à beira-mar, Theresa Osborne encontra uma garrafa fechada com uma rolha, e lá dentro um papel enrolado e preso com um fio. Curiosa por saber o que o manuscrito contém, fica surpresa ao constatar que se trata de uma carta de amor. “... ela leu pela primeira vez a carta que mudaria a sua vida para sempre.” Enternecida com a intensidade das palavras redigidas, decide investigar quem é o seu autor, sem conseguir deixar de pensar de como ele será em pessoa. As suas únicas informações são, a data que a carta fora escrita, que ele se chama Garrett, algumas informações extras no conteúdo da própria carta, e que esta é dirigida para uma tal de “Catherine”. Trabalhando num jornal, esta busca torna-se mais fácil, acabando mesmo por descobrir quem é o “misterioso” autor de tão apaixonantes cartas. (Um pequeno à parte... digo cartas, porque entretanto nas suas investigações, Theresa descobre mais cartas escritas pelo mesmo autor, encontradas nas mesmas circunstâncias). Ele chama-se Garrett Blake e é um professor de mergulho, numa pequena localidade pescatória, no estado da Carolina do Norte. É assim com estas informações, que Theresa viaja até à dita localidade costeira, só com o intuito de ver quem é Garrett, sem sequer pensar em comentar com ele o motivo da sua presença. Só que os seus planos não correm como ela planeara... inicialmente acabam por travar uma amizade, e algum tempo mais tarde acabam por se apaixonar, sem que Garrett alguma vez imagine que as suas mensagens que eram dirigidas à sua amada mulher que morrera, fossem alguma vez ligas, e muito menos, pela mulher que agora estava a seu lado e que começava a amar. Mas Theresa sabe que alguma vez terá de contar a verdade, e que não será fácil para Garrett aceitar este facto, só que, antes de ela ter coragem para o fazer, ele mesmo descobre tudo... Não compete a mim revelar o final deste livro, porque é aí que reside a maior parte da sua essência. Só vos posso confessar que é um livro que demonstra o imenso poder que o Amor tem, de como somos capazes de voltar a amar tão intensamente uma pessoa, mesmo quando pensamos que tudo está perdido, depois de perdemos alguém de que amamos mais do que tudo, e que podemos dar sempre uma segunda oportunidade ao nosso coração. Se quiserem ficar com as sensações à flor da pele, então leiam este livro, e descubram que ainda existe lugar neste mundo para uma bela História de Amor. Boas Leituras:)

em 15 Jul, 2005 - Para responder identifique-se - Comunicar

Novato
Usuario desactivado

Usuario desactivado respondeu

Olá! Este foi o primeiro livro do Nicholas Sparks que li (agora já li todos, menos o último, que é bastante recente), e gostei imenso dele, e posteriormente do filme. Gostei de o relembrar através da tua opinião! Beijinho, bom fim-de-semana. AnaC.

carina13 respondeu

Obrigada Ana pelo teu comentário. Este foi o terceiro livro que li, e adorei como qualquer outro do Nicholas Sparks, se bem que há uns que nos "tocam" mais que outros, mas são excelentes na mesma. Também já os li a todos, com excepção do último curiosamente, que se não estou em erro saiu esta semana (já não era sem tempo:)). Em relação ao filme, também gostei, com o fabuloso Kevin Costner, mas mesmo assim, prefiro o livro. Um óptimo fim de semana também para ti. Beijinhos Carina

 
Novato
Kikkinha

Kikkinha disse

+1
Na minha opinião este livro é sem dúvida um dos melhores livros que já li durante toda a minha existência. Lê-se com tanta vontade que acredito que haja pessoas que o lêem de uma vez só. Sempre que me é possivel agarro nele e leio partes. Achei um livro muito, muito bonito. Qualquer tipo de pessoa o pode ler. É ideal para quem está apaixonado, para quem é muito romântico, para quem gosta de romances ou simplesmente para quem está curioso para o ler. É outro livro que penso que toda a gente deveria ter e ler quantas vezes fosse possivel. Penso que nem o filme com a história semelhante é tão bom quanto o livro. Não há palavras que descrevam, palavras tão belas e sentidas que o autor escreve.

em 11 Jun, 2005 - Para responder identifique-se - Comunicar

carina13 respondeu

Olá, queria antes de mais dar-lhe as boas vindas. Gostei muito deste livro, também foi dos livros que mais gostei, mas não posso dizer que tenha sido o melhor até agora, mas é sem dúvida um grande livro. Concordo também quando mensiona que o filme não é tão bom como o livro, realmente nada substitui a escrita de Nicholas Sparks. Cumprimentos Carina

Novato
CarinaLuis

CarinaLuis disse

+1
Gostei muito do filme e do livro. Achei fantástico. Amei tudo, o filme é muito giro, mas o livro é mesmo mágnifico. Muitos parabéns pelo trabalho, continuem assim. É lindo, gostei muito, mas muito mesmo. Continuem assim. Foi lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lidno lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo lindo.

em 18 Fev, 2005 - Para responder identifique-se - Comunicar

Novato
Usuario desactivado

Usuario desactivado respondeu

ah brilhante opinião !!!! Tem-se esquecido do prozac???? cumprimentos Mónica Ferreira

Fada_Morgana respondeu

Também gostei muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito

 
Novato
FReis10

FReis10 disse

+1
É neste preciso momento que começo a opinar mais uma vez, exactamente na altura em que li a última palavra deste livro e que me encontro com uma lagriminha no canto do olho... É simplesmente espectacular...provavelmente o melhor romance que já li, tão tocante, apaixonado e ...triste! Com tantas opiniões dos membros da livra mais uma menos uma não fazia falta mas acho que não poderia deixar de expressar a minha satisfação em relação a este livro. Confesso que tal como a maioria dos livros as primeiras linhas não são muito cativantes...de tal modo que estive tentada em desistir da sua leitura, feliz a hora em que não o fiz, porque depois de ultrapassar essas tais primeiras linhas foi-me quase impossível parar de ler! (só esta tarde de tao emocionante que estava a leitura consegui ler mais de meio livro de uma vez) (Espero agora dar uma olhadinha pelo filme, que nunca vi) Pormenores acerca da história do livro penso não ser necessário referir...é secundário e além disso outros membros já o fizeram, copias aqui não interessam para nada... Interessa sim saber que é um livro excepcional,magnífico, brilhante, apaixonante... que recomendo absolutamente e que ficará na história como o único romance que me fez derramar algumas lágrimas !

em 22 Jun, 2004 - Para responder identifique-se - Comunicar

Eilis respondeu

existem algumas diferenças na adaptação do livro para o filme. O filme até está bastante bom, mas continuo a achar o livro melhor. Parabéns pelo comentário. Bjinhos Ana

FReis10 respondeu

Obrigada Ana pelo comentário! Como disse ainda não vi o filme...mas ainda assim partilho da sua opinião, parece-me que o livro é melhor(digo isto pelo trailer que vi): pequenos pormenores como a profissão de Garret, o nome do barco, o filho de Theresa,a amiga que pelos vistos também parece não existir, e etc etc etc... Bjinhos Filipa

Novato
VeraNeves

VeraNeves disse

+1
Como poderia eu deixar de comentar sobre essa obra prima da literatura? Não poderia...tendo publicado a minha opinião sobre "O Diário da Nossa Paixão" não poderia deixar de comentar este também. Ouvi falar no filme baseado nesse livro e sinceramente nunca o vi apesar de ouvir dizer que nem se compara ao livro.. É um livro estonteante em que a descrição simples e ao mesmo tempo pormenorizada das situações conseguem remeter-nos para dentro da história, transformando-nos, quase, na personagem, talvez por isso seja uma obra que tanto me fez chorar, principalmente na altura em que me dou conta de que o Garreth morre e que tinha morrido para enviar duas últimas garrafas com duas últimas mensagens: Uma para Cathrine de adeus, sua ex-mulher, e uma de promessa de uma vida nova para Theresa, o seu amor actual. São cartas, desde a primeira até à última, que nos fazem pensar no significado do amor e o quanto esse significado se desvaneceu na nossa sociedade hoje em dia. Posso dizer que não é o meu caso porque praticamente vivo um amor assim, só que o meu amor ainda vive, o meu marido. Sinceramente, era muito bom que actualmente o amor tivesse um peso maior na vida de todos nós, tal como tem na vida de todas as personagens das obras de Nicholas Sparks, também ele inundado de amor pela vida e pela mulher a quem ele faz referência em todos os seus livros...

em 13 Jan, 2004 - Para responder identifique-se - Comunicar

Cadastre-se em Livra para participar, ou identifique-se se já é usuário.

Mais informações

  • Autor Nicholas Sparks
  • Editora Editorial Presença
  • Gênero Literatura/Poesia
  • Data de Edição 1999

-

Compartilhar

URL

Listas

As Palavras que Nunca te Direi - Nicholas Sparks

Coisas que quero

(1 product)

Por
em 28 Ago, 2010
As Palavras que Nunca te Direi - Nicholas Sparks Onze Minutos

livros favoritos

(2 products)

Por
em 28 Ago, 2010
Filhos Batedeira

Outros Produtos

(138 products)

Por
Novato
Usuario desactivado
Usuario desactivado
em 3 Ago, 2010
Picks Relacionados

Estatísticas

  • Eu gosto Eu gosto 52
  • Qualificações Qualificações 51
  • Comentários Comentários 47
  • Visitas Visitas 48
Close